8 metodologías que todo profesor del siglo XXI debería conocer

Flipped Classroom, Design Thinking, ABP…repasamos 8 de las metodologías educativas más populares.

Las nuevas metodologías de enseñanza están cambiando los entornos educativos en todo el mundo e impulsando mejores resultados académicos de los alumnos. Repasamos algunos de los principales modelos innovadores que han forjado los profesores y que todo docente del siglo XXI debe conocer.

Flipped Classroom (Aula Invertida)

Una de las metodologías modernas que ha ganado más popularidad en los últimos años, el Flipped Classroom es un modelo pedagógico en el que el los elementos tradicionales de la lección impartida por el profesor se invierten – los materiales educativos primarios son estudiados por los alumnos en casa y, luego, se trabajan en el aula.

El principal objetivo de esta metodología es optimizar el tiempo en clase dedicándolo, por ejemplo, a atender las necesidades especiales de cada alumno, desarrollar proyectos cooperativos o trabajar por proyectos.

Aprendizaje Basado en Proyectos

Con la llegada de las nuevas tecnologías de la información y de la comunicación a los colegios, han surgido tanto nuevas metodologías de enseñanza como nuevas versiones de metodologías ya existentes, ahora revisadas para las generaciones digitales. Una de las más utilizadas en clase actualmente es el Aprendizaje Basado en Proyectos (ABP).

En su esencia, el ABP permite a los alumnos adquirir conocimientos y competencias clave a través de la elaboración de proyectos que dan respuesta a problemas de la vida real.

La enseñanza basada en proyectos o tareas integradas, supone hoy la mejor garantía didáctica para una contribución eficaz al desarrollo de las competencias clave y al aprendizaje de los contenidos del currículo

Partiendo de un problema concreto y real, en lugar del modelo teórico y abstracto tradicional, parecen evidentes las mejoras en la capacidad de retener conocimiento por parte del alumnado así como la oportunidad de desarrollar competencias complejas como el pensamiento crítico, la comunicación, la colaboración o la resolución de problemas.

Aprendizaje Cooperativo

“Más fuertes juntos”. Así se podría resumir de forma sencilla el aprendizaje cooperativo, una metodología que los maestros usan para agrupar a los estudiantes y, así, impactar en el aprendizaje de una manera positiva.

Los defensores de este modelo teorizan que trabajar en grupo mejora la atención, la implicación y la adquisición de conocimientos por parte de los alumnos.

El objetivo final es siempre común y se va a lograr si cada uno de los miembros realiza con éxito sus tareas

La principal característica es que se estructura en base a la formación de grupos de entre 3-6 personas, donde cada miembro tiene un rol determinado y para alcanzar los objetivos es necesario interactuar y trabajar de forma coordinada.

En el aprendizaje cooperativo, el objetivo final es siempre común y  se va a lograr si cada uno de los miembros realiza con éxito sus tareas. Por su parte en el Aprendizaje Individual el alumno se focaliza en conseguir sus objetivos sin tener que depender del resto de compañeros.

Gamificación

La integración de mecánicas y dinámicas propias de jugos y videojuegos en entornos no lúdicos, o gamificación, se practica desde hace tiempo pero ha sido en los últimos cuando el fenómeno ha adquirido una dimensión sin precedentes, y es una de las apuestas recurrentes de los expertos del sector cuando analizan las tendencias actuales y futuras de la industria EdTech.

Desde que, en los años 80, juegos con vocación internacional como la serie “Carmen Sandiego” o “Reader Rabbit” (ver infografía abajo) ganaron popularidad mundial, el desarrollo de títulos educativos se ha multiplicado, no solo los dirigidos a la población en general sino, cada día más, los dirigidos a alumnos y cursos específicos.

Esta tendencia se consolidó con la creciente inclusión de la gamificación en los currículos lectivos y se estima que esa inclusión siga ganando peso en el futuro.

Aprendizaje basado en problemas

El aprendizaje basado en problemas es un proceso de aprendizaje cíclico compuesto de muchas etapas diferentes, comenzando por hacer preguntas y adquirir conocimientos que, por su vez, llevan a más preguntas en un ciclo creciente de complejidad.

Poner en práctica esta metodología no supone sólo el ejercicio de indagación por parte de los alumnos, sino convertirlo en datos e información útil. De acuerdo con múltiples pedagogos, las cuatro grandes ventajas observadas con el uso de esta metodología son:

  • El desarrollo del pensamiento crítico y competencias creativas
  • La mejora de las habilidades de resolución de problemas
  • El aumento de la motivación del alumno
  • La mejor capacidad de transferir conocimientos a nuevas situaciones

Design Thinking

La educación siempre ha sido un espacio por excelencia para la innovación. Maestros en todo el mundo están constantemente trayendo nuevas ideas y metodologías al aulahaciendo el mejor uso de las herramientas a su disposición.

El Design Thinking (DT) – o “Pensamiento de Diseño” – nace con los diseñadores y su método para resolver problemas y satisfacer así las necesidades de sus clientes. Aplicado a la educación, este modelo permite identificar con mayor exactitud los problemas individuales de cada alumno y generar en su experiencia educativa la creación y la innovación hacia la satisfacción de los demás, que luego se vuelve simbiótica.

Aprendizaje Basado en el Pensamiento (Thinking Based Learning)

Más allá del debate sobre la eficacia de aprender “de memoria”, cuando se habla de educación uno de los aspectos más discutidos es la necesidad de enseñar a los alumnos a trabajar con la información que reciben en la escuela. Enseñarles a contextualizar, analizar, relacionar, argumentar…En definitiva, convertir información en conocimiento.

Este es el objetivo del thinking-based learning o aprendizaje basado en el pensamiento(TBL), desarrollar destrezas del pensamiento más allá de la memorización, desarrollar un pensamiento eficaz.

Aprendizaje Basado en Competencias

Por definición, todo aprendizaje tiene obtiene como objetivo la adquisición de conocimiento, el desarrollo de habilidades y la solidificación de hábitos de trabajo. El Aprendizaje Basado en Competencias representa un conjunto de estrategias para lograr esta finalidad.

A través de herramientas de evaluación como las rúbricas, los maestros pueden impartir el currículo académico sin desviaciones del plan de estudios vigente pero enfocándolo de forma distinta, poniendo en práctica ejemplos reales y, así, transmitiendo a sus alumnos una dimensión más tangible de las lecciones.

– Artigo fornecido por: Redacción Realinfluencers

Metodologia de ensino: como debates na sala de aula podem ajudar

O mundo está se modernizando bem rápido e as tecnologias têm se desenvolvido em uma velocidade estarrecedora. Para se adaptar aos novos tempos, as pessoas acabam modificando hábitos e costumes. Por essa razão, a educação se vê forçada a acompanhar essas mudanças e lidar com alunos que preferem seus celulares à escola.

Algo que tira o sono dos professores é aprender a cativar os alunos, mantendo-os interessados no conteúdo ministrado e conscientes da importância dos estudos em suas vidas. Como podemos fazer da sala de aula uma extensão do universo dos alunos? A solução, sem dúvida, está relacionada ao tipo de metodologia de ensino empregada.

Confira neste artigo como os debates em sala de aula podem ser incluídos na didática e ajudam a cativar os alunos de todas as idades, desde a base até o ensino médio. Continue lendo!

De que modo o professor pode guiar o conhecimento?

Seja aluno ou professor, é preciso aprender a lidar com a nova realidade. Foi-se o tempo em que aula boa era puramente expositiva, em que o docente “depositava” o conhecimento na cabeça dos jovens, cujo papel era manterem-se passivos e livres de reflexões mais profundas.

Hoje, por meio da internet, os alunos de qualquer idade têm acesso a conteúdos diversificados e que, muitas vezes, são disponibilizados de forma muito mais dinâmica e atrativa se comparadas às aulas que utilizam apenas o giz e o quadro negro como ferramenta.

Além disso, a pluralidade de material encontrado na internet mostra como esse meio virtual pode ser uma fonte plural de explicações para o mesmo conteúdo. Isso ajuda o aluno que não compreende a matéria com uma determinada forma de explicação, pois ele pode encontrar outro modo que o faça entender melhor.

Nesse processo de ensino e aprendizagem, o papel do professor é ser um facilitador, estimulando os estudantes para que atinjam e, se possível, superem os objetivos propostos. Por essa razão, a preparação do docente para guiar os jovens, por meio de fontes relevantes e confiáveis no mundo virtual, é essencial.

Já o aluno deve ser ativo na construção do seu conhecimento, pois pode (e deve!) questionar, aprimorar a sua argumentação e, dessa forma, construir com todos em sala de aula o conhecimento por meio do compartilhamento do seu próprio saber e das suas vivências. Nesse cenário, usar o debate na metodologia de ensino é algo extremamente benéfico! E por falar em debate…

Qual é o papel dos debates no estudo?

A educação precisa fornecer a base necessária para que as crianças e os adolescentes desenvolvam habilidades e comportamentos que serão úteis na prática durante suas vidas e, dessa forma, colaborar para o desenvolvimento da cidadania.

Como exemplo, os debates na sala de aula desenvolvem habilidades que são exigidas pelo mercado de trabalho e dão a possibilidade de trabalhar a timidez dos alunos assim como o medo daqueles que têm dificuldades de expressar as suas opiniões em público.

Além disso, as discussões possibilitam a organização de ideias por parte do estudante e estimula a pesquisa por novos referenciais, ampliando o conhecimento e, como consequência, o poder de reflexão e a capacidade de argumentação. Até para crianças essa metodologia ajuda na ordenação do pensamento e principalmente no desenvolvimento da linguagem oral.

Quando o professor possibilita a discussão em sala de aula, o conhecimento dos alunos é valorizado. Assim eles percebem que suas experiências e conhecimentos prévios também são importantes para a construção do conhecimento do grupo.

Com isso, os estudantes compreendem que um debate não é a imposição de ideias, gerando brigas e agressões, mas sim, a troca de posicionamentos e argumentos. Essa visão muda a relação entre os alunos e cria a empatia destes com as diversas opiniões que podem ocorrer sobre determinados temas.

Esse é um passo importante na formação de crianças e adolescentes. A possibilidade de perceberem que a realidade não é uma relação binária (certo e errado) e dicotômica (bem e mal), mas que existem vários argumentos que sustentam as ideias e que sempre devem ser respeitados, mas que podem ser discutidos.

Essa metodologia de ensino aproxima professores e alunos e faz com que todos entendam melhor as visões de mundo uns dos outros. Os estudantes passam a perceber que não é o professor quem “dá” a aula, mas que todos contribuem para a construção do conhecimento.

Assim, promover debates na sala de aula é uma das iniciativas mais inteligentes e produtivas que uma escola pode adotar.

Como incorporar os debates na sala de aula?

As discussões podem acontecer durante as aulas de quaisquer disciplinas. O professor pode optar por fazer uma lista com temas — que devem se relacionar com a realidade e a faixa etária dos alunos para que o debate faça sentido — e então fazer uma votação em sala de aula.

Os assuntos podem ser escolhidos entre aqueles dos livros didáticos que devem ser utilizados durante o período letivo ou, ainda, aproveitar temas que estão em destaque na mídia e já estão sendo debatidos naturalmente pelos alunos.

Por exemplo, em épocas de olimpíadas ou copa do mundo é possível trazer determinados assuntos para sala de aula — como a história de algum esporte, a relevância de determinada modalidade para um país ou a importância da disciplina para os atletas.

Outro exemplo do dia a dia que pode ser tema de debate e enriquecer os estudos são as questões políticas, econômicas e de comportamento que estão sendo realçadas pelos meios de comunicação.

A possibilidade de escolha por parte do discente faz aumentar o engajamento dos estudantes nas pesquisas preparatórias para a discussão e, consequentemente, no próprio debate. O papel do professor será mediar a discussão, estimulando a participação de todos — gerenciando a exaltação de alguns alunos, assim como a omissão de outros.

Isso não significa que o docente não deva participar da discussão em si e só escutar o que os alunos têm a dizer. É importante que ele se coloque em alguns momentos fazendo um apanhado do que tem sido discutido. Podendo também trazer a visão de diferentes especialistas na área para o debate e incentivando os alunos a desenvolverem questões que não ficaram bem fundamentadas.

Se possível, permita que os estudantes se preparem previamente para se sentirem mais seguros e participarem ativamente do debate. O professor pode sugerir uma série de materiais para que a turma se familiarize com os temas que estarão em pauta.

Essa estratégia está relacionada com a metodologia da sala de aula invertida, que favorece uma postura mais interativa e incentiva a participação dos alunos. A turma estuda os temas em casa, e quando os estudantes chegam em sala de aula, estão cheios de questionamentos e ideias que enriquecerão a discussão.

O professor também pode utilizar as ferramentas tecnológicas ao seu favor, criando ambientes virtuais em que os conteúdos didáticos necessários para uma pesquisa básica possam ser organizados de acordo com o tema e acessados pelo aluno. A plataforma QMágico, possibilita essa experiência.

Assim, os alunos têm acesso aos materiais necessários a partir de uma experiência de aprendizagem mais moderna e eficiente.

Quando o professor está aberto ao diálogo em sala de aula, os resultados positivos são visíveis: alunos mais motivados, engajados e com melhor desempenho acadêmico. Por isso, encoraje o profissional a usar a criatividade e colocar em prática atividades que incentivem os alunos a se tornarem mais ativos e confiantes!

Favoreça o debate, a troca de conhecimentos e use a tecnologia em prol do aprendizado. Isso fará com que a escola faça sentido aos alunos, pois terá relação com a realidade deles.

Você quer ou já estimula os professores a incorporarem tecnologias e debates em sala de aula na metodologia de ensino? Se você precisa de mais informações sobre as vantagens e as possíveis formas de utilizar essas ferramentas, baixe nosso e-book sobre gamificação e ensino!

– Artigo por: blog.qmagico.com.br

Processo de Elaboração do Projeto Curricular

A função do docente no ambiente do projeto é adotada pela instituição. De acordo com o grau de flexibilidade do projeto curricular, o docente marca seu campo de ação. Há de se entender que a finalidade é presidir as atividades educativas escolares de forma adequada e útil à população. Isso precede o conceito de que a ação do professor pode ser “mecanizada”, apenas repetindo o que direciona o currículo ou criativa e renovadora, com autonomia para estruturar os seus projetos de acordo com a natureza curricular da instituição.

Segundo Stenhouse (1984, p. 29), “um currículo é uma tentativa de comunicar os princípios e características essenciais de um propósito educativo, de tal forma que permaneça aberto à discussão crítica e possa ser efetivamente trasladado à prática”. Retomando os conceitos de projeto curricular e projeto didático, é importante relevar que o primeiro é a estrutura permanente da instituição, enquanto que o projeto didático é a extensão do currículo no processo de concretização. É importante discriminar ambas as manifestações.

O Projeto Curricular é a extensão do projeto educativo ou didático, como estabelecemos neste curso. Para alguns teóricos não há diferença entre ambos. Para a nossa didática vale-se conceituar ambas as terminologias, pois um projeto educativo é circunstancial, conforme visto e um projeto curricular é uma estrutura permanente. Todavia, o projeto curricular pode ter uma estrutura aberta ou fechada. No momento, ficamos com as fontes de constituição do Projeto Pedagógico.

A fonte de construção de um projeto pedagógico menciona ONDE se buscarão as informações nele a serem contidas. Essas informações são os objetivos e os conteúdos.

Objetivos e conteúdos são as fontes que constituirão o projeto e, por conseguinte, o plano de ação escolar. Alguns posicionamentos são adotados ao longo da busca dessas informações. Ao longo do planejamento a população pode adotar posturas que estão relacionadas com a filosofia educacional da instituição. Consideramos três abordagens ao longo da constituição das fontes:

1) Progressista: no plano de ação, a criança é o centro de interesse do projeto.
2) Essencialista: no plano de ação, o conteúdo das áreas de conhecimento é o centro de interesse do projeto.
3) Socióloga: no plano de ação, a contextualização da informação é o centro de interesse do projeto.
É ideal que ao longo da revisão do projeto curricular, a população educacional saiba pesar as três posturas, adotando uma para seguir a proa do navio. As três são importantes, nas medidas adequadas.

Como Viabilizar essas Posturas ao Longo da Construção do Projeto?
Os três posicionamentos são admissíveis; muito embora algumas instituições adotem o rumo de acordo com a sua filosofia, a experiência pedagógica sempre conta como acréscimo para a constituição do projeto. Por isso, a cada ano letivo o projeto deve ser continuamente revisto. Algumas situações na revisão do projeto devem ser consideradas. Uma delas é a responsabilidade docente e dos demais componentes da equipe pedagógica. Essa responsabilidade condiz com duas naturezas do Projeto Curricular da escola:

– Na primeira, a escola pode adotar uma concepção centralizadora, na qual o projeto está em um eixo curricular fechado, com as determinações de objetivos, conteúdos, materiais didáticos, métodos por área já preestabelecidos. (currículo fechado).
– Na segunda, a escola pode adotar uma concepção descentralizadora, ou seja, quando o docente tem mais autonomia para estabelecer as diretrizes de acordo com a sua área de ensino. (Currículo aberto).

Quando se adota a primeira postura, busca-se homogeneizar o Projeto Curricular dentre a população escolar, fidelizando a sua finalidade. Na segunda postura, não há a mesma tentativa de unificação.

Mediar os docentes na 2ª postura é tarefa árdua, muito embora recompensadora. A melhor solução seria conciliar um mesmo eixo temático central para a construção dos projetos. Para tanto, a responsabilidade docente, aliada às iniciativas de CRIAÇÃO E RENOVAÇÃO devem suscitar ações conjuntas de acordo com o amadurecimento da equipe.

É importante também a atuação da coordenação pedagógica nesse contexto. Ao estabelecer uma meta para um eixo temático esta deve ser relevante para todos os projetos institucionais. Cabe contar com a participação e unicidade da equipe. Ambos os modelos, centralizado e descentralizado, caracterizam-se pelas seguintes aplicações: Modelo Centralizado
– Determinação prévia dos componentes.
– Variações mínimas em relação à avaliação do aluno.
– Estrutura linear e acumulativa.
– Sequências fixas de instrução.
– Pequeno grau de interdisciplinaridade e integração.

Modelo Descentralizado
– Interação permanente entre o sistema e o aluno.
– Contínuo processo de revisão e orientação.
– Sucessivas modificações no programa.
– Não enfatiza o resultado, mas o processo avaliativo.
– A sua substancialidade é interdisciplinar.

No primeiro modelo, as fontes são invariáveis – digam-se imutáveis – inclusive no que tange à metodologia a ser usada pelo professor. Nele também não há diferenciação entre os alunos; todos são os mesmos em relação ao desempenho e resposta do aprendizado. A meta a ser atingida por todos é única.

No segundo modelo a aplicação é diferenciada. É importante para o modelo descentralizado saber até onde cada educando pode atingir, de acordo com o potencial individual do aprendizado. Os alunos são considerados diferentes em relação aos aspectos sociais, culturais e geográficos no contexto de aplicação do projeto.

Ainda no segundo modelo, os objetivos estão descritos em termos gerais – não há descrição específica – com o intuito de flexibilizar as mudanças. A avaliação do aluno não é um marco ao longo de cada sequencia. E não necessariamente avaliar equivale a provar conhecimentos preestabelecidos. A avaliação é um processo de aprendizagem, pois determina em que nível está a compreensão do aluno e como ele pode aplicar o conhecimento em situações novas.

Quando a organização amadurece o Projeto Curricular aberto, ela tende a abrir caminhos para o contexto interdisciplinar. Nesse ambiente o próprio professor elabora e aplica as diretrizes do projeto. Existem escolas que estão adotando a aula com professores de áreas afins: o professor de História entra em sala com o Professor de Geografia para dividirem (ou somarem) o momento da aula. Com isso, ela segue a estrutura de um mesmo eixo temático, cujas áreas seguem um ponto de contato que pode ser ampliado.
Quando as organizações oferecem um projeto curricular “fechado” o professor reproduz apenas a sequencia do conteúdo. Alguns docentes acham mais cômodo repetir do que criar.

Deve-se romper com a mística de que o currículo fechado tem uma conotação negativa e o currículo aberto uma conotação positiva.

A Pedagogia de Projetos está mais propensa a enquadrar-se no esquema didático do currículo aberto, porque este proporciona a interação e o diálogo incessante entre as áreas de ensino, o que contribui para o fator significativo da aprendizagem. Todavia, algumas escolas, principalmente aquelas com um grande contingente de alunos, precisa padronizar o projeto curricular, tornando-o fechado. Sem a flexibilidade das fontes não há como adotar plenamente o método de projetos.

A Pedagogia de Projetos Plasma a Interdisciplinaridade
Muito embora o Projeto Curricular fechado tenha todas as predeterminações definidas, esse dado não “força” o professor a ser um mero executor do projeto. Ainda com as prévias do Projeto Curricular fechado há possibilidade de CRIAR. Esse exemplo de docente constata-se no filme “Sociedade dos Poetas Mortos”.

O Projeto Curricular, no Método de Projetos, compromete o professor na tarefa criativa e não apenas na repetição do que fora previamente estabelecido. A desvantagem é conciliar, de forma homogênea, a população escolar e as diretrizes que cada docente toma de acordo com a sua autonomia na Pedagogia de Projetos.

O professor, para lidar com a Pedagogia de Projetos, deve ter formação superior e experiência pedagógica assentada para transformar esses elementos em prática e autonomia seguras para elaborar as próprias programações.

Logo, na concepção construtivista a ação pedagógica se adequa às necessidades específicas dos alunos que se apoiam claramente no modelo do projeto curricular aberto.

por COLUNISTA PORTAL – EDUCAÇÃO

Andrea Menescal Entrevista com a Martine Scherer sobre POLH

 

Iniciaremos a nossa sessão “Entrevistas” com Martine Scherer, da Associação Raízes de Genebra, na Suíça, cujo trabalho é baseado na cooperação com o governo local e regional. Martine relata-nos um pouco sobre essa relação, sobre o conteúdo dos cursos de português como língua de herança (POLH) da Raízes, sobre o material didático, a relação com os pais e sua visão sobre o ensino de POLH na Europa e no mundo.

 

Elo Europeu – Como você foi parar na Suíça e há quanto tempo mora nesse país?

Como também tenho nacionalidade suíça, decidi, em 2007, viver algum tempo aqui, se conseguisse trabalhar nas minhas áreas de atuação: ensino fundamental e de português como língua estrangeira. E consegui trabalhar juntando as duas  no ensino de POLH na Raízes.

 

Elo Europeu – O que é a Raízes e qual é a sua função dentro dela?

 A Raízes é uma associação sem fins lucrativos criada em 1996 por um grupo de pais brasileiros interessados em oferecer aulas de português e cultura brasileira para crianças. Hoje em dia, ela oferece os cursos para crianças em Genebra (em breve, em Lausanne) e colabora com outras associações que queiram implementar os cursos de POLH na suíça francesa. Também oferece curso de português como língua estrangeira para adultos e francês para lusófonos. Eu entrei na Raízes em 2007 como professora de POLH e, desde 2010, sou também coordenadora. Atualmente, divido a coordenação com a professora Ana Riccioppo, pois a escola está crescendo.

 

Elo Europeu – Como é estruturado o trabalho de vocês dentro do contexto suíço?

O curso para crianças oferecido pela Raízes faz parte dos “cursos de língua e cultura de origem” (“les cours de langue et de culture d’origine”- LCO), propostos pelo Departamento Federal de Migração e apoiados pelo Departamento de Instrução Pública (DIP). Esses cursos são oferecidos em várias línguas através dos consulados e de associações.  A Raízes é a responsável há 19 anos pela realização dos cursos de português do Brasil e cultura brasileira no cantão de Genebra. As aulas, com duas horas de duração, são dadas semanalmente nas escolas públicas, fora do horário escolar, totalizando 30/32 aulas anuais.

 

Elo Europeu – Existe uma cooperação com a prefeitura de Genebra e/ou o governo local e regional?

Existe uma parceria com o Departamento de Instrução Pública de Genebra, com uma equipe dedicada à promoção do plurilinguismo nas escolas, que inclui os cursos de LCO, e com quem temos reuniões regulares e desenvolvemos projetos. Eles apoiam e fazem a promoção dos cursos. Temos também um apoio financeiro do “Bureau de l’Intégration des Étrangers”, pois nossas atividades se enquadram no projeto de incentivo periescolar desenvolvido por este órgão.

Também recebemos, desde 2010, um precioso apoio do Consulado-Geral do Brasil em Genebra aos projetos e na divulgação da escola.

 

Elo Europeu – Quantas crianças estão envolvidas no trabalho da Raízes? Qual é a idade delas? São todas filhas de brasileiros?

 Por ano, temos em média 70 crianças de 4 a 14 anos, divididas por idade/série na escola suíça em turmas de 8 a 14 alunos. Também oferecemos aulas particulares na casa do aluno. E este ano estamos propondo uma turma de crianças de 2 e 3 anos.

As crianças são, em sua maioria, nascidas aqui ou vindas pequeninas do Brasil. São filhas de pais brasileiros ou pais binacionais e, mais raramente, de pais portugueses ou de pais que não são brasileiros, mas tiveram alguma ligação com o Brasil.

 

Elo Europeu – Quem determina o conteúdo do curso de português e que material você utiliza? Como você cria o seu material de aula?

Por enquanto, cada curso de LCO, na Suíça francesa, é livre para determinar seu conteúdo. O conteúdo atual dos nossos cursos foi  organizado por mim em 2010, inspirado no programa francês e suíço para línguas estrangeiras na escola, também nos conteúdos gerais de português como língua estrangeira (PLE) e seguindo as diretrizes dos parâmetros curriculares nacionais (PCNs) do Brasil para o português no ensino fundamental. Mas, principalmente, o conteúdo foi pensado a partir do conhecimento das necessidades específicas dos alunos daqui, que têm, em sua grande maioria, o francês como língua dominante e pouco conhecimento do Brasil, sua História, geografia e sua diversidade cultural. Geralmente o conteúdo é trabalhado em cada turma dentro de projetos, curtos ou longos, que podem ser sobre um tema, uma coleção de livros, músicas, um evento etc.

Quanto ao material adequado ao perfil de nossos cursos, ele é inexistente no mercado. Além disso, a abordagem pedagógica adotada, que preconiza um processo criativo e interativo de aprendizagem, não permite que nos fixemos apenas em materiais pré-determinados. O material didático que utilizamos é especialmente criado para atender aos nossos objetivos e às necessidades dos alunos: às vezes, adaptamos materiais didáticos utilizados nas escolas brasileiras mas, sobretudo, produzimos novos materiais, mais adequados ao contexto e mais eficazes, usando como base os livros, filmes, gibis, jornais, músicas, poesias, brincadeiras brasileiras etc.

Estamos finalizando a elaboração de um conjunto abrangente de materiais de base (projetos, textos, jogos, exercícios, dinâmicas etc) que possa servir de referência para cada série, sem que isto signifique, entretanto, deixar de preparar continuamente materiais que atendam aos interesses e às necessidades surgidas em cada ano. Sabemos que adaptar e criar material fará sempre  parte do nosso trabalho. Material tem que ser como a língua: dinâmico, vivo.

Como criar este material? Primeiro, conhecendo o perfil dos alunos. Além disso, o objetivo tem que estar claro, para que o material seja adequado e eficaz. Na preparação do material, valorizamos a exploração da produção cultural brasileira e das referências do universo infanto-juvenil, levando em conta sua diversidade. A produção cultural brasileira está aí para ser conhecida, analisada, vivida, recriada, revirada, tudo é motivo para a fala, a leitura e a escrita, para o trabalho com a língua-cultura.

Também trabalhamos com o contexto deles na Suíça, com o que eles trazem de vivência de duas ou mais culturas e, às vezes, contrastamos as duas línguas. Além disso, há vários tipos de material, o que focaliza e sistematiza um ponto gramatical dentro de um contexto; o que amplia um conteúdo; o que desafia; o que incita à criação; o que facilita a descoberta de regras; o que trabalha a memória ortográfica; o que desenvolve a produção oral específica, o que gera reflexão; o que sensibiliza às diferenças, o que promove integração etc.

 

Elo Europeu – Como é essa dinâmica usada com as crianças para que elas mesmas criem os seus livros? Que dicas nesse sentido você daria para outras educadoras e iniciativas para que elas trabalhem dessa maneira, criando textos e melhorando a escrita e a leitura com as crianças?

Quando estudamos um livro ou uma coleção de livros ou um tipo de texto (como lendas, poesias, contos de fadas, notícias), o fechamento do projeto geralmente é a criação de um texto ou um livro pelos alunos, individual ou coletivamente. Por exemplo, quando lemos a série do Zirado, os livros sobre partes do corpo, e percebemos como são escritos, propomos no final que eles criem um livro de uma outra parte do corpo para aumentar a coleção. Mas a criação de um texto pode também vir de uma notícia ou de uma música transformada em história.

Podemos reescrever uma história com outro final ou com personagens trocados, ou escrever um texto a partir de uma gravura ou de um desafio de palavras. Pode ser um texto explicando um jogo inventado ou o diálogo para uma apresentação de teatro. Uma página de diário, piadas, adivinhas. Uma turma já criou um guia de Genebra para brasileirinhos, outra criou roteiros de filmes que depois eles mesmos realizaram. Trabalhamos com gibis e eles, no final, montaram um gibi com uma história inventada da Turma da Mônica e cada um levou uma cópia para casa. Este ano uma turma inventou uma música, com letra sobre o Sítio do Picapau Amarelo.

Outro estímulo: criar livros para contar às outras turmas. Não temos um livro em português sobre boneco de neve para contar aos pequenos? Então, podemos propor aos maiores que façam um para contar para eles. A proposta de criação de textos variados é para todas as idades. Os menores, de 4 a 5 anos, inventam histórias e ditam para a professora, que monta e dá o livro para eles ilustrarem. Ou fazem um livro só com imagens. Textos também podem ser só visuais e terem uma narrativa, como os quadrinhos da Bruxinha Atrapalhada da Eva Funari. Eles percebem a estrutura e criam outras histórias visuais.

Também o formato do livro pode variar, pode ser um minilivro, um livro gigante, pode ser em forma de sanfona ou de calendário. Pode ser uma revista, um livro interativo, um livro bilíngue. Pode ser somente a criação de capas para uma coleção, com novos títulos, para a escrita inicial. Tenho um aluno particular que, aos 9 anos, praticamente não sabia o português e que inventou um livro didático, dividido em capítulos, com exercícios de vocabulário baseados nas histórias em quadrinhos da Turma da Mônica. Assim, foi aprendendo, ele mesmo, o vocabulário (cores, roupas etc).

 

Elo Europeu – Existem bibliotecas com acervo em português? Vocês possuem um trabalho de leitura dentro da Raízes e suas atividades?

Nas bibliotecas públicas existem pequenas seções de livros em português geralmente de Portugal. Em nossa associação existe uma boa biblioteca para adultos, para os membros, e temos uma biblioteca infantil com ótimos livros, mas não numerosos, somente para os cursos. A leitura de uma história nas turmas é feita praticamente em todas as aulas. Além dos livros usados em sala, os alunos levam livros emprestados para casa. Não conseguimos que o empréstimo seja feito sempre em todas as turmas, porque não temos uma quantidade suficiente de livros para tal. Estamos aguardando uma doação de livros infantis do Ministério das Relações Exteriores (MRE), o que será de grande ajuda para a renovação e ampliação da biblioteca infantil.

Na sede da Raízes, atualmente, não fazemos nenhuma atividade cultural, por falta de voluntários para organizar eventos. Somos um grupo bem pequeno para muitos projetos. O trabalho de leitura de livros fica, infelizmente, restrito aos cursos, por enquanto.

 

Elo Europeu Como é feita a avaliação de desempenho da criança na disciplina de POLH? Existe esse tipo de avaliação?

Temos uma avaliação final no modelo solicitado pelo DIP para constar no boletim suíço, com as apreciações TS (“très satisfaisant”), S (“satisfaisant”) e PS (“peu satisfaisant”) em relação ao progresso do aluno. Para isto, temos que levar em conta o nível de cada aluno, como ele começou o ano, como se desenvolveu. Aos pais, entregamos um relatório no fim do ano com uma descrição da evolução da criança, sem notas ou apreciação.

 

Elo Europeu – Que dificuldades você enfrenta no ensino de POLH? Desde o começo do seu trabalho até hoje, como você avaliaria? Mudou muita ou pouca coisa?

Nos últimos anos, muita coisa mudou internamente, na Associação, e em relação à área de POLH. Nossa associação ganhou mais reconhecimento da comunidade brasileira, temos a maioria dos alunos que continua ano após ano, os pais parecem mais conscientes da importância desses cursos e estão satisfeitos. Conseguimos um pouco mais de estabilidade financeira e estamos atendendo a mais famílias, incluindo as famílias com baixa renda, porque pudemos diminuir a taxa escolar e dar bolsas. Uma dificuldade continua: encontrar professores com o perfil de que necessitamos, mesmo oferecendo uma formação interna e um salário/hora razoável.

Outra mudança importante foi o ensino de POLH ter passado a existir oficialmente no Brasil, o que me deixa bastante otimista com os rumos de nossos cursos e os outros Elo Europeu afora. Já está havendo mais apoio a projetos e um reconhecimento de nosso trabalho. Sobretudo, não sinto mais nossa equipe isolada aqui em Genebra, passamos a trocar e a aprender com outras pessoas da área, outras associações, nos encontros ou virtualmente, o que é muito proveitoso e reconfortante.

 

Elo Europeu – Como é a sua relação com os pais? Eles são participativos nas atividades da Raízes, no aprendizado de POLH, conscientes do papel deles?

O fato de os pais inscreverem seus filhos nos cursos já demonstra que estão valorizando o aprendizado de POLH, fazendo um esforço na escolha desse curso dentre muitas outras atividades oferecidas na quarta- feira à tarde para as crianças, dia em que não há escola.  Às vezes, o curso é uma imposição dos pais à criança, quando o horário é o mesmo da escolinha de futebol… mas ela acaba gostando! O que percebo ainda é a dificuldade de muitos pais em falar o português em casa com os filhos, apesar de desejarem ver o filho progredir na língua. Estamos sempre lembrando que o papel dos pais nesse aprendizado é essencial.

 

Elo Europeu – Vocês possuem atividades que exijam o envolvimento dos pais?

Infelizmente, o envolvimento dos pais é limitado porque os cursos são durante a semana e não fazemos atividades extras por falta de disponibilidade dos professores e de voluntários. Os pais também estão ocupados, não temos muita presença na reunião de pais anual. Nosso contato maior é por e-mail, facebook, na entrada e saída de aula.

Temos o dever de casa semanal, que envolve, às vezes, a família como: cantar uma música ou contar uma história aos pais, mandar um cartão para o Brasil ou fazer uma pesquisa com eles. Além disso, temos o dia de “Portas Abertas” na última aula do ano e a festa junina. Ano passado, tivemos a apresentação teatral da artista Anna Ly para pais e alunos.

Contudo, não conseguimos ainda um envolvimento mais efetivo dos pais. Seria interessante se houvesse um  “grupo de pais da Raízes” fazendo propostas, organizando encontros, para serem mais ativos dentro da escola.

 

Elo Europeu – Você esteve como palestrante na Oficina de Formação de POLH em outubro de 2014 e em 2015 no II Simpósio Europeu sobre o Ensino de POLH (SEPOLH) em Munique, Alemanha. Como foi essa experiência? Você já participou, com certeza, de outros encontros nessa área. Tem mudado alguma coisa na Europa no ensino de POLH, e de coordenação das iniciativas?

Esta mobilização que está havendo na Europa das associações, das pessoas interessadas nesta área, dos consulados, dos conselhos de cidadania, do Elo Europeu de Educadores de POLH é muito importante e traz avanços ao ensino de POLH. O ELO Europeu foi uma grande ideia que já está dando vários frutos. Os simpósios, os cursos que estão acontecendo, as articulações, mesmo virtuais, entre as pessoas que atuam na área são passos importantes para o fortalecimento e a valorização do ensino de POLH.

A oficina de formação em Munique, em 2014, foi muito interessante porque reuniu pessoas que já estão trabalhando nesta área, tanto os palestrantes como os participantes, então pudemos discutir o POLH a partir da experiência, do conhecimento da realidade de cada lugar, das dúvidas vindas da prática.

O SEPOLH nessa sua segunda edição, em 2015, foi um rico intercâmbio de ideias e práticas. O número de participantes aumentou bastante em relação ao primeiro, em Londres. Foi ótimo ver que, em 2 anos, novos grupos de POLH se formaram na Europa. Ver que há pontos em comum e também diferenças no funcionamento dos grupos. Essa diversidade é interessante. Em 2017, o III SEPOLH será aqui em Genebra, numa parceria da Raízes com a Associação Brasileirria de Educação e Cultura (ABEC) em Zurique.

 

Elo Europeu – Qual seria o seu recado para os pais brasileiros que moram pelo mundo afora?

Vivam a língua com seus filhos, sem receios e do jeito que for mais prazeroso. Vale tudo: brincar em português e com o português, cantar, contar histórias, piadas, ler poesias, fazer adivinhações, brincadeiras, falar besteiras. Relembrem brincadeiras e referências culturais da sua infância, mas também descubram juntos as novidades, uma gíria atual, uma nova música, um filme, um livro. Contem as histórias da família. Mandem cartões para quem está no Brasil, escrevam e-mails juntos. Se a língua vier enrolada com a outra, a do país onde moram, deem risada, comparem, brinquem com as duas, aproveitem esta riqueza de haver mais de uma língua e uma cultura na vida de seus filhos.

 

Elo Europeu – E um recado para outros educadores de POLH?

Acho fundamental trocarmos experiências e avançarmos o debate sobre os aspectos importantes do ensino do POLH,  nos encontros como os simpósios, os cursos e também em publicações. Também é interessante estudarmos os trabalhos desenvolvidos em Língua de Herança (LH) nas outras línguas. Além disso, seria muito bom que desenvolvêssemos a área de POLH no âmbito acadêmico, sendo ela tema de pesquisas, mestrados, doutorados.

De qualquer maneira, dentro ou fora da universidade, acho importante estudar o material teórico que já existe sobre POLH e LH e de áreas afins, como o ensino da língua portuguesa, conceitos de cultura e identidade, o desenvolvimento infantil, pensando no perfil de nossos alunos. E, sempre, refletir sobre nossa prática. Estamos no início, há muita coisa a ser estudada, debatida e criada. Os rumos que o ensino de POLH tomará e o seu desenvolvimento dependem de nossos esforços e isso é, ao mesmo tempo, um prazer e uma grande responsabilidade.

Three reasons to preserve (and develop) a heritage language: Charles Chang at TEDxRice:

MEU ESCRITÓRIO
ÁREA  FORUM